quarta-feira, 12 de agosto de 2009

Ballet

Para Aline
.
Deito-me na laje morna junto aos gatos que há horas se entregam lânguidos às próprias línguas. Os fios de luz do crepúsculo escorrem translúcidos sobre os telhados. No quarto fechado, a pequena bailarina ouve Chopin e dança de sapatilha de ponta o seu petit ballet, sem importar-se que umas notas fugitivas do piano escapem por debaixo da porta e venham refugiar-se junto aos gatos. A este sinal, asas brancas dançam nas lonjuras azuis, nuvens dançam fluidas na atmosfera rosada, jovens folhas dançam coladas aos corpos das árvores, enquanto as velhas folhas rodopiam soltas com a brisa. A bailarina vem para a laje, onde há liberdade para o seu grand jeté, deixando Chopin vivo no quarto. Abraço um dos gatos, e num rompante de ternura, penso dançar com aquele cego que não podia ver a primavera em Paris.

3 comentários:

aline disse...

Que lindo moça! Você me arranca lágrimas com esse texto maravilhoso. Obrigada! Não pense, dance!

Olívia Rojanski disse...

Oi, mamis... :)
Vim ver a lua. bjs

Jac. disse...

As palavras têm o poder de mudar
sentimentos dentro de nós!
Eu também, num ímpeto de ternura,
sinto vontade de bailar com um
cego, numa primavera em Paris!

Sempre belas as suas palavras!