quarta-feira, 4 de março de 2009

Perto do fim do mundo

Eu pensei que o mundo iria acabar no dia 21 de dezembro de 2012, e parece que não vai. Já havia começado a viver momentos com gosto de despedida, a olhar para a paisagem com a expressão melancólica de quem tem a certeza da viagem, do nunca mais, com cara de quem pode dizer com firmeza: tô vasando. Mas era potoca! Não pude evitar que duas volumosas lágrimas vertessem de meus olhos desolados quando o Fantástico desmascarou a profecia. Foi uma estrondosa desilusão.
.
Se o mundo acabasse de uma hora para outra, com o choque de um planeta, asteróide, cometa, ou seja lá o que for, com a Terra, seria menos sofrível do que a morte lenta que a gente sofre todos os dias, a morte da esperança numa humanidade mais justa e mais pacífica, já que a paz é produto-consequência-resultado da justiça.
.
Semana passada, por exemplo, eu morri um bocado. Morri quando soube que uma menina de nove anos, abusada sexualmente pelo padrasto desde os seis, está grávida de gêmeos. Morri quando um menino de 16 anos, do Quilombo do Curiaú, morreu eletrocutado quando nadava no lago e se encostou no suporte de um poste de energia elétrica enterrado sob a água por uma empresa contratada pelo governo do Amapá! E morri por uma série de outras coisas não menos terríveis, difíceis de enumerar.
.
Eu sei que vou continuar morrendo assim todos os dias, porque crianças continuarão a ser violentadas, atiradas pela janela, eletrocutadas em gambiarras elétricas de gente sem responsabilidade, e a maior parte da humanidade vai continuar assistindo a tudo isso nos telejornais, com cara de não tenho nada a ver com isso. Inclusive eu, que me permito ser governada por essa gente que está aí preocupada em mostrar na televisão o Governo em Ação inaugurando pracinha, eu, que nunca mais fui para o meio da rua, com minhas bandeiras, gritar que o povo brasileiro precisa de arroz, feijão, farinha, carne seca e trabalho, e que o prefeito, o governador e o presidente da república se virem pra arranjar!, que faz um tempão que não pratico solidariedade.
.
Enfim, o fim seria a grande chance de recomeçar, do nada, da explosão, do verbo, um mundo novinho em folha. Ah, outra profecia diz que o mundo vai acabar numa quinta-feira! Hoje é quarta...

5 comentários:

bete disse...

Ah não vai acabar mais em 2012? não ouvi essa notícia...

É, a gente vai morrendo por dentro. Mas a gente também vai desenvolvendo uma "pessoa" dentro de nós, que vai absorvendo tudo isso, e isso não é ruim, é bom, porque se não fosse assim, a gente não viveria. É retomando o gancho da sua caixinha, a gente precisa criar um pequeno mundo, um espaço interno, um lugar onde só entra a gente e Deus, porque Ele também sofre...

E continuar, não adianta nos culparmos por não sairmos às ruas, a gente sai sim, a gente sai em busca do trabalho, do pão...

Continuemos com nossas preces, quando oramos, a nossa oração se une à de outros, milhares de outros, e há efeito sim, não parece mas há.

Sunshine disse...

A escolha é sua. É isto ou semear poesia.

aline disse...

-Por um instante fiquei feliz em ver a reportagem do Fantastico,mas me intristece saber que ñ vo estar aqui quando tudo tiver fim...!

Maria Rojanski disse...

Claro. E que o governo também assegure, além do feijão e do trabalho, cultura de verdade. Porque a gente não quer só comida, a gente quer comida, diversão e arte, como diziam os Titãs.
Só a esperança mesmo pra manter o mundo vivo.
Gostei do texto. Um beijo, mamãequinha.

Márcia Corrêa disse...

E tudo acaba e recomeça todo dia.