domingo, 6 de abril de 2008

A bela

Último da Série Ensaios Sobre a Ternura

Sua poesia a apavorava: Que bicho da seda teceu tua pele? Em que árvores de que montanha foste colher teus cabelos? De que minas de ouro tiraste tantos dourados? A cada dia um pedacinho dela era um novo tesouro. Desmanchava-se em ternos beijos. A bela enjoou. O queixo dele tremeu como o de um menino quando ela disse que precisava de uns trancos mais firmes, um palavrãozinho de vez em quando, umas mordidas. E como um menino com uma dor, deu um tranco bem firme na porta e não voltou mais.
Ilustração: obra de Joan Miró

2 comentários:

Maria Rojanski disse...

Como se diz por aí, supimpa! Bem em cima, bem na mira. Bom trabalho, os textos estão lindos, e a escolha das imagens de muito bom gosto. Adorei... (:

Fábio Luis Neves disse...

Hahahahaha, esse é ótimo Luli! Fechou com grande estilo esta série. Parabéns! Concordo totalmente com os comentários da Maria.

Beijos! Se cuida Luli!