quinta-feira, 13 de março de 2008

Pássaros de papel

Série Ensaios Sobre a Ternura
-Pelo Dia Nacional da Poesia

A lembrança é remota, como das coisas que se vivem em sonho. Mas lembro que atravessava o Largo da Ordem numa tarde de ventos em que os canteiros da Praça do Relógio explodiam em flores de primavera em pleno verão de Curitiba. Foi então que o anjo, que neste dia andava calado ao meu lado, me disse ao ouvido: “olha o poeta...” E olhei, e vi que daquela vez não era mais uma promessa que me fazia o anjo, que costumava caminhar com a mão entrelaçada à minha sob as paineiras. O poeta estava mesmo ali, ao alcance de minha crença pueril de que a poesia podia ser vista com os olhos. A despeito do tempo, continuo acreditando. Estava ali, Leminski, com a elegância de “um homem com uma dor” que ganhava o tempo de toda uma tarde comovendo-se com os pequenos pássaros de papel que os colegiais libertavam sobre os gramados. Estava ali, recolhendo versos do quadro da tarde, e como se nos “olhasse de dentro de um diamante”, sorriu ao nos ver passar como passavam os pássaros de papel no vento, ou porque tivéssemos os olhos de quem testemunhasse uma aparição cósmica. “Leminski...”, sussurramos eu e o anjo, naquele instante cristalizado no tempo, e depois apenas o vimos se ir, telúrico e quase marginal, caminhando “assim de lado”, levado pelo crepúsculo, com um pássaro de papel colhido na concha da mão.

Ilustração: obra de Joan Miró

3 comentários:

Fábio Luis Neves disse...

Que bonito Luli! Quem dera se vivessemos mais de poesia, não acha? Adorei este texto, mas tenho uma questão, o li 3 vezes e em todas vi o Drummond. Não consegui ver o Leminski neste contexto. Hahahaha, que loucura né?

Beijos!

Luli Rojanski disse...

Fabio, querido, que bom que você gostou. Mas era mesmo o Leminski, que eu e um amigo chamado Vagner vimos no Largo da Ordem, em 1983, seis anos antes de o poeta morrer. Obrigada pela visita. Um beijo.

Anônimo disse...

Adorei o texto é realmente muito interessante:-))