sexta-feira, 26 de março de 2010

ABILASH

Queridos amigos,

Apresento a vocês meu livro: Abilash – Conto da Amazônia, um pequeno filho, nascido muito tempo depois do nascimento do filho mais velho: Lugar da Chuva. Mas com a literatura é assim... passa-se tempo precioso escrevendo e tempo amargurado tentando publicar. E este momento, o de ter a nova criação nas mãos, o livro prontinho saído das máquinas que concretizam o sonho da palavra no papel, é ímpar, é singular. Pois Abilash está aí... foi publicado pela Editora Escrituras, tem 64 páginas e conta a história de um menino que renasce na Amazônia para plantar a semente da preservação e do amor à vida no coração do homem. Espero, com Abilash, reavivar a esperança no coração de todos os leitores. Um abraço.

Início do conto:


Inspirado no renascimento de Abilash.


Um menino de três meses foi resgatado dos tsunamis que flagelaram o Sri Lanka, na Ásia, no final do ano 2004. Nove casais que haviam perdido seus filhos disputaram sua paternidade. Depois do cataclismo, com o filho renascido nos braços, os pais verdadeiros o chamaram Abilash. Para os nove casais, ele foi o filho desejado.

Somente as águas do rio Amazonas assistiram naquela noite à chegada do menino. E estavam mansas como quem dorme, guardadas pelo clarão vigilante da lua sobre o rio. O menino estava nu, de olhos abertos, e do fundo de uma canoa embalada pela calmaria, fitava no céu as constelações cintilantes de dezembro.

Queridos amigos, comprem! Na Banca do Dorimar e na Livraria Transa Amazônica.

5 comentários:

Jac. disse...

Parabéns por Abilash!!!
Vou lê-lo, com certeza.

Ave Palavra!
Ave Lulih!

Meu carinho!

Z. disse...

Gostaria de comprar. Há distribuição dele aqui em SP ? Parabéns ! Z.

Márcia Corrêa disse...

Oi Lulih,
Que bom saber de mais uma obra sua. Irei tomar um café com Ângela para comprar o livro na Transa Amazônica. Depois de lê-lo quero uma entrevista exclusiva para o papel de seda.

Ah! Quase não te reconheci na todo do alto do blob. Não fosse pela penugem dourada... Vocês tá cada vez mais leve eim menina?
Bjs!

Kiara Guedes disse...

Hummm, acho que vou juntar-me com Angela e Márcia pra esse cafezinho... Vou correr lá, e postarei assim que o ler pra dar opinião mais pessoal, ok.
Beijos, meus. Abraços apertados tbm.

Fábio Luis Neves disse...

Querida Luli,
para um jogador de futebol é importante dar um belo passe, mas nada é mais vital para sua profissão e vivência do que fazer o gol. A internet nos propicia a tênue sensação de publicar, de ser lido, debatido e ver o texto em forma, uma pequena chama que alimenta. Mas como o gol é o momento ímpar de um jogador, a conclusão do sonho e do trabalho, ver nossos escritos em papel, encadernados, assinados e com capa colorida é a mesma concretização.
Penso poder sentir e entender o que sentes com mais esse trabalho impresso, parabéns!

Adorei o começo da narrativa, gostaria de ter esse livro, depois a gente negocia como podemos fazer pra eu recebê-lo aqui, ok? Já que eu tenho o outro "Lugar da chuva" e gosto muito dele.
Abraços e parabéns mais uma vez!