segunda-feira, 6 de outubro de 2008

Enfim!

Como neste domingo eu vestisse uma blusa cuja estampa dizia Enfim, várias pessoas me perguntaram: Enfim o que? Sei lá, não pensei nisso ao comprar a blusa. Mas foi interessante o número de possibilidades que surgiram a partir da palavra. Enfins existenciais, políticos, sexuais, todo mundo queria fazer piada. Mas desde sábado os meus enfins são os seguintes:
1. Enfim assisti ao filme O Amor nos Tempos do Cólera. Puxa, que coisa, nem sei direito o que dizer... Acho que o G. G. Márquez não gostou. Ele nunca gosta, por isso sempre resiste a permitir que filmem seus livros. A atriz Giovanna Mezzogiorno, que interpretou Fermina Daza, ficou com a mesma expressão pregada na face durante as duas horas de filme. E mesmo aos 72 anos tinha a boca dos seus 18.
2. Enfim está provado que Javier Barden (Florentino Ariza) é um ator formidável, que Fernanda Montenegro (Transito Ariza) é uma deusa e que Benjamin Bratt (Juvenal Urbino) é a coisa mais sedutora do cinema universal atual.
3. Enfim um filme em que o diretor (o britânico Michael Newell) conserva falas originais das personagens do livro, embora nem assim consiga passar perto da emoção que a literatura provoca.
4. Enfim... derramei copiosas lágrimas na frente do vídeo, porque a história foi bem contada e emociona, ainda que de maneira óbvia. A fotografia é belíssima, a Shakira cantando toca fundo...
5. E enfim, não sou crítica nem comentarista de cinema pra dizer mais que isso. No geral, gostei do filme.

6 comentários:

Luís F. disse...

De minha parte, já que ainda não vi o filme, gostei dessa foto. Mas por que sempre pernas?

Pepê Mattos disse...

Enfim - Um conto inacabado (e mal começado). "Enfim", assim, estampado na camiseta ela saiu pelas ruas. Seu estado de espírito resvalava ali pelo completo desapego a tudo que a circundava. Nem se importara com a imagem do espelho mostrando uma mulher que conhecia desde o momento em que levantava da cama até quando o sono (ou uma frustração qualquer) a jogava lá de volta. Conhecidos lhe paravam nas ruas querendo respostas que os convencesse de que tudo ia bem com ela. Ignoravam que resposta nenhuma ela tinha e o máximo que saía eram umas frases atropeladas que eram decodificadas como um "Tudo bem", mas que ela mesma admitia que fosse "E daí?". Ensimesmada com tamanho infortúnio resolveu entrar na primeira sala de cinema que encontrasse pela frente na ânsia de tentar vislumbrar no infortúnio dos outros conforto para sua inquietude. A película lhe desdizia mais coisas que todos os desmandos ouvidos até então. Insatisfeita com sua decisão resolveu atentar para a atuação dos atores. Isso não lhe tomou mais que duas horas de seu precioso tempo. Algumas lágrimas rolaram pela sua face límpida, perfazendo um percurso que terminara ali no canto dos lábios. Não soube dizer se eram pela história que assistia na tela ou que vivenciara desde que saíra de casa..."

maria disse...

Enfim (porque todo mundo vai falar enfim mesmo...), gostei das impressões. Suscitou a curiosidade. Beijo, beijo.

lulih rojanski disse...

Professor, sempre pernas, não... sempre caminhos!
Pepê, vou postar esse teu belo texto.
Lai, sempre vale a pena assisitir a uma história do G.G. Márquez.Assista logo e me diga. Bj.

Pepê Mattos disse...

Legal que tenha gostado. Saiu, assim, tão logo eu fui lendo teu mini-micro-conto. Gostei muito e quis fazer algo próximo. Acho que merece pelo menos duas correções: linha 8, onde se lê "convecesse", leia "convencessem" e na última frase onde se lê "Não soube dizer se eram pela história que assistia na tela ou que vivenciara desde que saíra de casa...", leia "Não soube dizer se eram pela história que assistia na tela ou pelo que vivenciara desde que saíra de casa...", né não? Abraços

Fábio Luis Neves disse...

Enfim sugere continuidade, acho que por isso as pessoas procuravam continuar a frase que não era frase. Acho que se tivesse visto, também haveria dito algo após o enfático/enfadonho enfim. Enfim, quanta bobagem minha!

Sobre o filme, quero muito ver e minha opinião sobre essa relação literatura e cinema, está nos comentários do post que a Luli escreveu qunado o filme ia ser lançado.